Quarta-feira, 7 de Fevereiro de 2007

Badajoz para nascer, Portugal para morrer

Tenho ouvido ultimamente o sr. Primeiro-Ministro e o sr. Ministro da Saúde, e com eles todo o séquito que habitualmente os acompanha em coro, insistir na vergonha que é a afluência de mulheres grávidas portuguesas a Badajoz, ao que eles dizem para abortar em clínicas dessa especialidade (não sei se hei-de chamar-lhe médica, ou se ainda não estará reconhecida como tal).
Não podemos permitir a continuação de semelhante escândalo, dizem eles tremelicantes de patriótica indignação, é obrigação do Estado português assegurar a todas as cidadãs que o queiram fazer a possibilidade de abortar livremente e com todas as garantias aqui, no generoso país que é o delas.

Não sei se haverá ou não essa falada romaria abortista, desconheço o facto e não tenho acesso às fontes de informação de Suas Excelências.
Porém, o que sei de ciência certa é que ouvi não há muito tempo as mesmas vozes troçando dos atavismos anacrónicos que levavam alguns portugueses a protestar contra as medidas de Suas Excelências que obrigam as grávidas portuguesas de extensa zona do país a deslocarem-se para Badajoz a fim de ali darem à luz. Segundo explicaram então às nossas mentes obscurecidas por séculos de anti-espanholismo primário, isso de fronteiras já não é do nosso tempo. E todos os critérios de racionalidade financeira apontam para a conveniência da solução que nos arranjaram: as portuguesas que queiram ter as crianças que vão a Badajoz, que vão muito bem e serão bem atendidas.
Nós não temos dinheiro para essa extravagância de sustentar maternidades deficitárias, não podemos esbanjar com esse luxo de terem os filhos em Portugal.
O que os nossos hospitais terão que garantir, isso sim, é que no caso de estarem interessadas em os abortar poderão fazê-lo por cá, sem listas de espera nem mesquinhices economicistas. Nem que tenha de formalizar-se uma via verde para as candidatas, e organizar-se uma equipa permanente só para isso em cada hospital distrital, e reservar um bloco só para essas intervenções, e destinar um reforço no orçamento para que não haja falhas.
Pode lá admitir-se que uma portuguesa tenha que ir abortar a Badajoz!

fonte ~ http://viriato.blogspot.com/2007/02/badajoz-para-nacer-portugal-para.html

categorias:
publicado por gjlumiar às 21:33

link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De João a 8 de Fevereiro de 2007 às 09:51
Estão a tentar fazer omeletes sem partir ovo.

Sem investimento não há equilíbrio.

Invistam na educação moral e sexual.
Por alguma razão ~40% dos abortos constatam-se idades entre 15 e 24 anos. Em ~65% dos casos NÃO foi usado método contraceptivo eficaz e em ~46% nenhum método contraceptivo.

Se não querem ter filhos usem preservativo quando tiverem relações. (Esta mensagem é destinada principalmente a jovens com idade entre 15 e 24 anos).

Outra coisa cá para mim os homens são tão ou mais culpados do que as mulheres. Isso veio a baila por acaso? Alguém ponderou penalizar o pai biológico (quando aplicável) em vez de a mãe?

Comentar post

mais sobre mim

pesquisar

 

Junho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30

posts recentes

Estamos no FACEBOOK

Noite de oração | 14 mar ...

Retiro de Quaresma 2009

56º dia Mundial dos Lepro...

Actividades Lumiar Janeir...

Vigília Ecuménica Jovem

Oração de Ano Novo

Projecto de luta contra a...

Recolha de roupa interior...

Retiro de Advento

arquivos

Junho 2012

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

categorias

aborto

actividades

diocese

gjlumiar

humor

música

notícias

oração

paróquia

reflexões

sociedade

solidariedade

vídeos

todas as tags

blogs SAPO

subscrever feeds